Freelancer

Um freelancer consegue ficar rico?

Não só consegue como deve. Afinal, ninguém, em sã consciência, faz uma escolha profissional pensando em passar aperto. Além disso, o grande pulo do gato do freela em relação ao trabalho com carteira assinada é justamente a possibilidade de fazer mais rendimentos do que aqueles que estão vinculados aos salários.

Quando você trabalha para uma empresa, sabe que vai ganhar, todo mês, um valor X. Digamos que sejam mil reais. A empresa pode ou não te fornecer um bom plano de carreira, mostrando onde e como você vai conseguir suas promoções e o aumento do pagamento. Mas, em linhas gerais, seu ganho mensal certo vai ser mil reais.

Já se a opção é viver de freela a coisa muda de figura: você pode fazer mil reais, quinhentos reais ou cinco mil reais. Ou dez mil. Vinte. O céu é o limite. E, como ninguém quer diminuir sua renda, só aumentar, o trabalho freelancer é uma boa saída para essa conquista.

Mas não vá pensando que é a saída fácil: se você é frequente aqui no blog da Profissas já sabe que freela rala pra caramba. Pra ficar realmente rico é preciso incorporar um detalhe à equação, que se chama organização. É preciso planejar, precificar bem, arrumar a casa para receber faturamentos e fazer esse dinheiro render.

Vamos passar por ponto a ponto para que você entenda, de uma vez por todas, que freela pode ser rico – e não só de saúde e alegrias.

Os passos da organização freela

A primeira coisa que você tem que fazer se quiser ser um freela com boas condições financeiras é calibrar sua imagem junto ao público que consome seus serviços.

As pessoas precisam confiar em você, e no seu trabalho, para colocar dinheiro na sua mão. Portanto, todos os erros que possam ser evitados no marketing pessoal do freela já impulsionam o profissional para uma realidade melhor.

Depois, é só lembrar dos toque a seguir.

#1 – Venda bem seu serviço

É preciso saber bem o que você vende, qual seu valor de mercado, qual o valor agregado do serviço (ou seja, porque, de todas as outras pessoas do mundo, o ideal é fazer o trabalho com você) e ter um bom discurso de vendas.

Para aumentar o faturamento é necessário aumentar, primeiro, a cartela de clientes, e o único jeito de fazer isso é traduzindo o quanto você tem capacidade para fazer aquilo que se propõe.

Não é só sobre falar bem de si mesmo, porque essa atitude pode até parecer arrogância, mas mostrar resultados positivos, paixão e comprometimento em entregar boas novas aos clientes. Essa linha de raciocínio vai te diferenciar, e muito, dos concorrentes.

#2 – Saiba como e quando ajustar os preços

O freela muitas vezes se esquece de um detalhe bem pequenininho de macroeconomia que pode impactar seus negócios: a inflação. Tudo ao redor está subindo de preço, menos o trabalho freelancer… o profissional propõe, o cliente chora e acaba tudo ficando na mesma.

É claro que você não deve inventar um valor para si e bater o pé nele, mesmo se estiver bem acima da média de mercado, mas é preciso ter habilidades de negociação para saber a melhor forma de praticar novos preços.

No começo pode não parecer tão preocupante não repassar os dez reais do reajuste mensal para o cliente… mas, no apanhado do ano, você pode se dar conta de que está pagando para trabalhar.

#3 – Separar as contas

Freela que quer ter dinheiro precisa saber o que é dele, pessoalmente falando, e o que é da “persona freela”. Aqui você pode se perguntar que diferença isso faz, se o ser humano a embolsar o dinheiro é sempre o mesmo, mas a realidade é que saber dividir o que é trabalho do que é salário é uma conta que, quanto mais cedo a gente aprende, mais fácil a vida fica.

Isso porque, ao separar uma graninha mensal para seu freela, você pode começar uma reserva técnica de emergência (plano perfeito para profissionais que vivem muito de sazonalidade), comprar novos materiais de trabalho, investir em cursos profissionalizantes ou de reciclagem e fazer outros tipos de aquisição relacionados ao trabalho.

Além disso, com a parte que você tira do freela e que é pra você, como se fosse um salário, dá pra ir ao cinema, comer uma pizza e fazer atividades diversas de maneira organizada no quesito orçamentário.

Sem contar que a separação da “conta freela” da “conta pessoa” é um ótimo treinamento para quando você quiser ou tiver que abrir uma microempresa – lugar onde, ao invés de freela, você é o dono.

#4 – Reduzir os gastos

Você é freela. Trabalha sozinho. Pode fazer tudo dentro da sua própria casa, do computador, e quer muito enriquecer rapidamente de maneira lícita para fazer suas viagens e comprar seus sorvetes.

Então por que vai alugar uma sala de mil reais se pode adaptar seu lar em um home office?

Pra prosperar financeiramente o profissional freelancer deve reduzir o maior número de gastos desnecessários possíveis, como alugar salas para uma pessoa só, comer fora todo dia ou só visitar clientes utilizando seu próprio carro (cuja gasolina é uma despesona, principalmente depois da greve dos caminhoneiros).

Não caia no canto da sereia de ter seu próprio escritório em um ponto chique se isso significa dar um passo maior que a perna. Deixe a vontade para ser matada quando estiver bem confortável ao olhar sua conta de banco.

#5 – Aplicar os rendimentos

Freela que tem conta corrente perde oportunidades de gerar mais receita apenas aplicando a grana em uma cartela de investimentos.

Foi-se o tempo em que a pessoa precisava ser o lobo de Wall Street para entender e aplicar conceitos da bolsa de valores e enriquecer: hoje qualquer pessoa, do conforto do lar, pode aprender preceitos básicos de renda variável e ver o dinheiro ganhar mais corpo ao fim de cada mês.

Se você não faz nem ideia de por onde começar a entender tudo isso, veja essa dica de livro que demos e não perca mais tempo. Afinal, como dizem os americanos, ele também é dinheiro.

Pronto: agora você, freelancer, tem mais chances de ficar rico (ou, pelo menos, juntar bastante dinheiro!) a partir da sua própria força de trabalho. Não se esqueça que o negócio só vai dar certo se você for dedicado, comprometido e capacitado a desenvolver suas habilidades profissionais.

Se precisar de mais ajuda pra enriquecer, pode deixar sua pergunta nos comentários! E, nos antecipando ao surgimento de alguma delas ser nesse sentido: não, pedir dinheiro emprestado não é uma possibilidade. ;p

Comentários (0)

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

×
Ei! Se precisar de algo, estamos aqui pra te ajudar! :)