Coragem

Seja antifrágil e transforme sua vida

Você já ouviu o termo “antifrágil”? Lendo assim, à primeira vista, podemos pensar que ele supõe ser o oposto de frágil.

Contudo, como nem sempre damos à palavra “frágil” sua verdadeira essência, isso faz com que o verdadeiro significado de ser antifrágil também se perca. Principalmente nas partes que fazem o todo: anti + frágil.

Começando pelo início, então, vamos colocar as cartas na mesa.

Frágil é tudo o que se destrói quando exposto a uma adversidade. Uma fina taça de cristal é frágil. Se você colocá-la em um bagageiro de avião, por exemplo, corre sérios riscos de destruí-la.

Antifrágil, então, seria colocar a taça de cristal em uma caixa de espumas? Não. Isso só tornaria o objeto menos propenso a se quebrar no bagageiro – mas, em linhas gerais, ela continua sendo frágil.

Vamos rever a definição de frágil: algo que se destrói quando exposto a adversidades. Ser antifrágil, então, deveria pressupor algo que se constrói quando exposto a adversidades.

E é exatamente isso: sabe aquela história de o que não mata, fortalece? Ditado antifrágil. Se você é dessas pessoas que passa o perrengue, mas sai dele mais forte, parabéns: pode colocar no currículo essa nova palavrinha.

Por que estamos falando disso hoje? Porque todo ato de coragem, por menor que seja, tende a torná-lo mais forte, a construir em você camadas contra a destruição dos seus princípios, valores e sonhos. A coragem te torna apto/a a percorrer caminhos onde, antes, você achou que iria cair.

Ela te torna antifrágil.

E, para abraçar essa nova condição, você precisa calibrar seu mindset frágil.

Como ser antifrágil

Se tornar antifrágil é, basicamente, uma mudança na forma de pensar.

E, como não temos o poder de entrar na sua cabeça e mudar sua conexão neural na marra, você vai fazer isso com a ajuda de alguém que pode ser seu melhor amigo ou seu pior inimigo: o hábito.

Vai funcionar mais ou menos assim: nos próximos 30 dias você terá problemas.

Não estou rogando praga não, você vai ter, como geralmente tem. Isso ocorre com todo mundo do mundo, até com aquelas pessoas que aparentam ter vidas perfeitas.

A diferença é que, toda vez que você encontrar um problema no próximo mês, você vai se fazer a pergunta:

Como esse problema me ajuda a crescer?

Com esse mindset é que você vai começar a enfrentar o problema e diminuir o medo que você tem de ser sugado por ele. Após resolvê-lo, ou não, pense o seguinte:

Como esse problema surgiu?

Como posso fazer para evitar que aconteça de novo?

A partir dessas reflexões habituais é que seus medos vão desaparecendo, pois será mais fácil encontrar soluções quando se pensa sobre o assunto de forma racional.

É simples demais pra ser verdade, né? Sim!

Mas é assim que seu corpo lida com as bactérias e vírus invasores, que startups do mundo inteiro abordam problemas e que sistemas complexos, como o da aviação, mantêm seus sistemas intactos e melhorados ao longo do tempo.

Um dia de cada vez, com pensamento racional, indo de encontro a resoluções lógicas. Parabéns aos envolvidos.

Leve para sua vida e não tire mais de lá

Os sistemas antifrágeis, não à toa, são os sistemas mais complexos que conhecemos. Começando pelo seu corpo.

Ter uma mentalidade antifrágil é ter constante noção de que as coisas podem dar errado, mas que isso é parte de um processo de amadurecimento e crescimento, e sim, de adaptação e melhora.

Toda vez que estiver em dúvida – ou com medo – em relação a um plano, sonho ou simples ação, lembre-se: mesmo que o pior dos cenários aconteça, se você souber colher os aprendizados de forma correta, vai sair da situação bem melhor do que entrou.

Em um sistema em que você melhora inclusive com erros e falhas, por que ter medo?

De brinde, vai aí um ditado sempre reconfortante: se seu problema tem solução, não se preocupe; se não tem, mais um motivo para não se preocupar.

Comentários (0)

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

×
Ei! Se precisar de algo, estamos aqui pra te ajudar! :)