Diversidade

O que é neurodiversidade e qual a sua importância nas empresas? 

Você sabe o que é neurodiversidade?

O termo busca romper a ideia de que pessoas com funcionamento neurocognitivo diverso são doentes ou portadoras de transtornos. 

O conceito de neurodiversidade aponta que a mente pode funcionar de diversas maneiras, e que essas diferenças são apenas variações naturais do cérebro humano.

Ou seja, condições como TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade) ou autismo são diferenças em um espectro, e não problemas específicos a serem resolvidos.

Entender o conceito é fundamental, principalmente quando falamos de mercado de trabalho e de inclusão

Infelizmente, muitas pessoas neurodiversas ainda enfrentam preconceito quanto o assunto é oportunidades de trabalho.  

Leia o texto até o final e entenda a importância da neurodiversidade nas empresas.

O significado de neurodiversidade 

Muitas pessoas não conhecme ou não conheciam até pouco tempo atrás a palavra neurodiversidade.

Entretanto, o conceito, usado para descrever as enormes e diversas diferenças existentes no cérebro humano, tem se popularizado cada vez mais.

O termo surgiu no final dos anos 1990.

Ele foi utilizado pela primeira vez por Judy Singer, socióloga australiana que também está no espectro do autismo. 

A pesquisadora utilizou o conceito neurodiversidade para descrever condições como TDAH, autismo e dislexia.

A objetivo de Judy era mudar o foco do discurso sobre essas condições, partindo de um pressuposto de que seriam  uma “conexão neurológica” atípica (ou neurodiversa) e não uma doença a ser tratada ou curada. 

Sendo assim, as variações de atenção, socialização e aprendizagem, típicas de pessoas neurodiversas, não são algo negativo ou limitante.

Muito pelo contrário: elas podem ser interpretadas como vantagens competitivas e inclusive potencializadas.

Essas diferenças são outras formas de se expressar enquanto indivíduo, fazendo parte da diversidade humana.

Pessoas neurotípicas X pessoas neurodiversas 

Neurotípico significa “neurologicamente típico”. 

A expressão é utilizada para chamar pessoas dentro da faixa típica (média) da neurologia humana.

Ou seja, um indivíduo neurotípico é aquele que possui desenvolvimento neurológico considerado “padrão” pela sociedade.

Já a pessoa neurodiversa possui uma configuração neurológica diferente daquilo que a sociedade considera o padrão.

Essas diferenças influenciam no comportamento, socialização e aprendizagem das pessoas.

Contudo, ambas devem ser respeitadas, já que fazem parte da diversidade humana.

Pessoas neurodiversas no mercado de trabalho

A população neurodiversa enfrenta diversos desafios em nossa sociedade. 

Isso acontece, principalmente, porque a forma como nos comunicamos, aprendemos e socializamos se baseiam em indivíduos neurotípicos. 

A dificuldade para incluir pessoas neurodiversas também se deve ao fato da sociedade associar essas condições com transtornos e doenças.

O resultado é a exclusão dos indivíduos neurodiveros  de viver plenamente em sociedade. 

Reconhecer e respeitar pessoas com essas condições neurológicas é muito importante, mas incluí-las na prática à sociedade é ainda mais.

O mercado de trabalho, principalmente, é um dos lugares em que essa população ainda luta para ganhar espaço. 

O despreparo de muitas empresas em lidar com a neurodiversidade e o preconceito acabam não proporcionando um ambiente em que esses profissionais possam se fixar e se desenvolver. 

Para se ter uma ideia, de acordo com estudos da Cranfield University, no Reino Unido, as pessoas neurodiversas temem ingressar em uma organização com medo do preconceito – e, muitas vezes, hesitam até mesmo em se candidatar para uma vaga e em revelar sua condição por esse medo.

As organizações precisam entender que trazer o olhar da neurodiversidade para o ambiente corporativo pode ser uma grande vantagem. 

Isso porque, ao contratar e respeitar as diferenças dessas pessoas, as companhias conseguem chegar a soluções para problemas de uma maneira não tradicional e não óbvia.

Quando uma companhia desenvolve ações que ajudam pessoas neurodiversas a trabalhar e crescer dentro do ambiente de trabalho, ela consegue alcançar melhores resultados, alta performance da equipe e ainda contribui para bons índices de saúde organizacional.

Uma curiosidade: a gerente sênior em Analytics e Integração Digital da Vodafone, Nahia Orduña, em uma contribuição para o site do Fórum Econômico Mundial, explicou que pessoas neurodiversas possuem habilidades essenciais para a era digital. 

Enquanto a maioria de nós se distrai facilmente, cérebros neurodiversos são melhores em manter o foco em uma tarefa, o que prova que contratar pessoas diferentes não é apenas o mais correto a se fazer, é também um diferencial competitivo.

Um exemplo são as pessoas disléxicas.

Elas mostram uma capacidade acima da média de pensar fora da caixa, de forma inovadora, compreender padrões e raciocinar de maneira lógica. 

Pessoas enquadradas dentro do espectro autista também possuem habilidades únicas.

Elas são altamente criativas, dotadas de excepcional capacidade de concentração, raciocínio lógico e imaginação.

E mais: autistas também tendem a ser sistemáticas, meticulosas e extremamente detalhistas, capazes de fornecer percepções e perspectivas únicas para a solução de problemas.

Sendo assim, respeitar a neurodiversidade e incorporar seus conceitos no ambiente de trabalho é uma das melhores práticas que uma empresa pode ter.

Precisamos falar sobre a neurodiversidade nas empresas

Incluir pessoas neurodiversas no mercado de trabalho é essencial para uma vida em sociedade mais respeitosa e igualitária. 

Indivíduos neurodiversos podem trazer novas perspectivas à equipe, com ideias inovadoras e novas formas de executar determinadas tarefas. 

Mesmo sabendo dos benefícios de ter pessoas  neurodiversas nas organizações, as empresas ainda não estão preparadas para incluí-las.

E, por isso, essas pessoas ainda lutam para se ajustar ao perfil buscado pelas companhias.

Por serem diferentes da maioria das pessoas, esses indivíduos acabam não avançando nos processos seletivos e tem suas condições interpretadas como pontos negativos, o que é errado. 

Além disso, mesmo aqueles que estão empregados não encontram as condições ideais para executar suas funções no ambiente de trabalho. 

Pessoas neurodiversas frequentemente precisam de adaptações no local de trabalho — como fones de ouvido para evitar superestimulação auditiva — para ativar ou alavancar ao máximo suas habilidades.

Na maioria dos casos, as adaptações e as dificuldades são manejáveis, com perspectiva de ótimos retornos, mas muitas organizações não possuem políticas para abraçar a diversidade das pessoas colaboradoras. 

Por isso, a maioria das empresas precisa ajustar suas políticas de seleção, recrutamento e desenvolvimento de carreira para proporcionar condições reais de inclusão. 

Essas mudanças são essenciais para que cada vez mais pessoas neurodivergentes ingressem no mercado de trabalho e se sintam integradas à sociedade. 

É assim que se constrói um um mundo com mais respeito e oportunidades para todas as pessoas.

Se você gostou desse conteúdo, não deixe de conferir os outros textos no Blog da Profissas,  e também nos acompanhe pelo LinkedInInstagram,Spotify e pela comunidade Juntes pela Diversidade.

*Referência:PUC PR/EAD

Comentários (0)

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *