Carreira

E quando outra vocação bate a porta, o que fazer?

Eu sou uma comunicadora de formação e nata (risos), me formei em publicidade e propaganda porque sempre gostei de escrever, e falar, mas aos poucos eu fui percebendo que só a comunicação de marcas, produtos e serviços não era suficiente para mim, eu queria mais! Quero compartilhar minhas experiências e meu conhecimento. Você também se sente assim?

Eu sempre quis dar aula, meu pai e minha mãe são professores e inspirada pelo amor que eles têm por essa profissão eu sempre enxerguei esse como um caminho paralelo à minha jornada corporativa. Sabe por que eu digo um caminho paralelo? Porque a experiência prática do dia-a-dia do mercado de trabalho é uma das coisas mais ricas que um professor pode apresentar para seus alunos e isso eu percebi desde quando estava na faculdade, a diferença do conteúdo de um professor que tem prática real está anos luz à frente do que se dedica exclusivamente a sala de aula, você já deve ter percebido isso na prática.

Mas, como levar duas vocações em paralelo?

Compartilhar o meu conhecimento é uma das coisas mais prazerosas para mim e é muito perceptível o quanto a vivência prática agrega para os alunos. Claro! Você prefere alguém que te ensine algo que leu nos livros ou algo que viveu na prática? E mais do que isso, o processo de ensino baseado em experiência se torna muito mais fácil para quem está na posição de professor. A aula vira uma conversa, um processo muito natural de troca de experiências e você nem vê o tempo passar! E no final a sensação de ter feito algo extraordinário é enorme!

E dessa maneira, o meu dia-a-dia de manhã e de tarde, na empresa em que trabalho, vira muito mais rico também. Porque fico o tempo inteiro percebendo formas de viver uma experiência mais intensa, para que o efeito disso tudo seja o acúmulo de conhecimento prático para então compartilhar a noite em sala de aula.

Quantas vezes depois de encerrar algum trabalho, fazer uma entrega, você sente euforia? Você já passou por essa sensação? Eu nunca tinha passado! Só depois que comecei a dar palestras é que vivi isso na prática e depois da experiência em sala de aula essa sensação foi maior ainda. Isso sim é vocação! E eu desejo, realmente, que todo mundo viva essa sensação pelo menos uma vez na vida! Imagina o quanto maravilhoso é após terminar o seu trabalho você sentir uma vontade gigantesca de comemorar, de vibrar, como se tivesse atingido uma super vitória! Quando você vive isso, o que acontece? Você sente uma vontade ainda maior de fazer mais e mais. Vira um ciclo de obtenção de experiência e contribuição com o conteúdo e aí mais e mais pessoas absorvendo isso e construindo um dia-a-dia profissional mais embasado e mais real!

Fica ainda mais claro perceber que no final, a vocação é uma só no meu caso, comunicar! Mas como gerente de marketing eu comunico de uma forma, como professora de outra. Porém de formas complementares. Assim, levar a vocação com duas atuações em paralelo é mais fácil.

Como está o seu nível de auto cobrança por aí? Eu sempre me cobrei tanto para atingir meus objetivos! E parte dessa cobrança envolvia essa intenção de ser professora. Eu tinha uma meta pessoal de começar a dar aulas, as soon as possible, antes de completar 30 anos. E acredito que o que a gente joga para o universo, na hora certa ele retorna! E foi exatamente o que aconteceu! Duas semanas antes de completar 30 anos eu fui convidada para dar aula em duas instituições diferentes!

Eu tenho falado muito sobre o motivo pelo qual a gente acorda todos os dias para ir trabalhar e tenho cada vez mais consciência que a minha motivação vai muuuuito além do salário. Para todo mundo deveria ser assim, afinal dinheiro é só um meio e não um fim, não é mesmo? Eu, definitivamente, acordo todos os dias para ir trabalhar para, através da comunicação, contribuir positivamente com a vida das pessoas, seja através do dia-a-dia da equipe que gerencio, procurando otimizar a produtividade do time, melhorando a motivação, orientando as entregas, seja compartilhando o meu conhecimento em cursos e palestras. A partir do momento que encontrei esse sentido tudo tem um significado muito maior! Trabalhar diariamente perdeu aquele peso negativo que muitas pessoas sentem no peito todo domingo a noite a hora que começa a musiquinha do Fantástico, sabe?

Você já encontrou a sua vocação? Pare e pense! Qual é a melhor coisa que você pode fazer diariamente para contribuir para o mundo? Como você pode fazer o seu trabalho ser algo ainda maior e não só uma sucessão de dias onde você acorda, bate o ponto, trabalha e vai embora… Viva todos os dias com a intensidade e com a meta de atingir essa euforia que eu mencionei, mas cuidado! A hora que você atingir esse nível de entrega você vai viciar e todos os dias serão uma busca incansável pela excelência!

Boa sorte 😉

Comentários (0)

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

×
Ei! Se precisar de algo, estamos aqui pra te ajudar! :)